quarta-feira, 9 de março de 2011

Meu Primeiro Salto 15



Acabei de adquirir o salto mais alto da minha vida. Conseguir me equilibrar nele foi a maior prova de que nasci mesmo para ser mulher. E ser mulher não é algo absolutamente fácil. Quantas vezes, meu Deus! Quantas vezes desejei ser homem por pelo menos um dia...

Se eu fosse homem, ficaria satisfeito em poder dormir por mais quarenta minutos e gastar apenas vinte me arrumando para o trabalho.
Se eu fosse homem, não perderia vinte minutos do meu dia só para ler as previsões astrológicas diárias para o meu signo.
Se eu fosse homem, não precisaria me preocupar em usar roupa branca naqueles dias (afinal, não existiriam “aqueles dias”)...
Se eu fosse homem, não teria que gastar horas passando cremes hidratantes ou removedores de maquiagem.
Se eu fosse homem, não me preocuparia em ter que andar rebolando.
Se eu fosse homem, não precisaria me preocupar tanto com quantas calorias tem essa balinha que estou comendo.
Se eu fosse homem, ter apenas três pares de calçados (um chinelo, um tênis e um sapato social) não me incomodaria.
Se eu fosse homem não precisaria ficar loira, ter cabelos brancos seria “charme”.
Se eu fosse homem, não perderia minhas noites de sono pensando em onde está minha alma gêmea nesse exato momento.
Se eu fosse homem, talvez não fosse tão difícil dizer ‘adeus’ ao invés de ‘até logo’.

Se eu fosse homem, minha vida seria totalmente mais fácil. Mas eu não me orgulharia nem um pouco disso. Ser mulher é muito mais penoso. E é por isso que não abro mão de sê-la... Afinal: que homem conseguiria trabalhar dez horas por dia e ainda fazer o jantar quando chega em casa? Que homem suportaria fazer a sobrancelha ou depilar as pernas de 20 em 20 dias? Que homem sobreviveria a quatro dias de uma insuportável TPM?


Que homem conseguiria ter seu coração partido num dia e, mesmo assim, ir trabalhar (lindo e poderoso) no outro?


Nenhum homem consegue essa proeza. Conseguir trabalhar, arrumar a casa, cuidar dos filhos, fazer maquiagem todo dia e ainda ficar magra é exclusividade feminina. Conseguir esconder os problemas por baixo da maquiagem também. Em cima de um salto, então, ninguém me segura! Quer maneira mais rápida de deixar as pernas lindas?
Se há um amigo que consegue me deixar mais segura e confiante em segundos, sem dúvida é o salto. Posso estar ansiosa e desorientada, mas estou por cima. Não venha me dizer, portanto, que minha “síndrome de centopéia” não faz sentido. Pelo menos para mim, estar (e me sentir) bonita me faz instantaneamente sentir mais confiante.
Assim, passo até a ver a vida com outros olhos:

“Se eu fosse homem, sempre teria que pagar a conta.”



A todas vocês, Divas, meus parabéns.

4 comentários:

Rayza disse...

ai que diva!

9 de março de 2011 16:28
Pedro Santos disse...

Sou homem e concordo em gênero número e degrau com o que você escreveu! Sem demagogia! Entretanto, acho que esses hábitos tipicamente ligados à mulher ou ao homem estão se misturando nesses tempos modernos. O que não torna a mensagem do texto menos válida. Ótimo texto Giulia!

9 de março de 2011 16:31
luisa disse...

aaaah mulheerr!!! hahahah

9 de março de 2011 17:27
wonderfulcauseiam disse...

Você tá certa, librianas são MUITO diferente de librianos. Tirando os gays, os homens desse signo costumam seguir muito o esteriótipo do "random" - piada interna, gente, sorry.
E pior que agora tem homem querendo adquirir os hábitos da mulher néah. Vide meu caso: gastei 150 reais comprando o kit de microdermoabrasão da Mary Kay. Os meninos me zuaram até, mas não pude resistir a propaganda do produto que a KarlinhaVideoMaker fez no Youtube. Depois você dá uma olhada lá!
Un bacio!

10 de março de 2011 22:11

Postar um comentário